segunda-feira, 16 de agosto de 2010

O Assalto

Costumo não confiar muito numa segunda-feira, na verdade chego a ter horror a este dia, afinal, parece que tudo parece fluir para um único ponto, e tudo acontece ao mesmo tempo agora. Segunda para mim é sinal de caos no trânsito, no transporte e em todo lugar.

Hoje (16/08/2010) tive mais uma confirmação fatídica deste dia nefasto.

Antes de sair de casa, alguma coisa me cutucou lá no íntimo e senti uma sopradinha no ouvido dizendo "melhor deixar o notebook em casa", não pensei duas vezes e deixei a fonte do meu sustento quietinha na mesa da sala.

Saí de casa até bem animado, afinal, minha esposa havia acabado de fazer um teste de farmácia que deu positivo, então, estava me acostumando com a ídéia de ser pai novamente. Coloquei um som legal no mp3 vagabundo, e parti rumo ao ponto de ônibus, fazendo minhas orações matinais enquanto caminhava.

Ao dobrar a esquina do prédio onde moro, percebi com o canto do olho que vinha uma outra pessoa andando na rua, segui em frente, mas senti algo estranho e instintivamente olhei para trás, o cara estava longe, mas andando na mesma direção que eu. Virei para a frente, segui adiante... quando virei numa rua um pouco mais a frente, vi que o sujeito estava mais perto, quase ao meu lado.

Neste momento, meu celular tocou, minha esposa me cobrava um valor que esqueci de deixar com ela ao sair de casa. Tinha que voltar.

Fiz meia volta e comecei a andar do lado contrário. Foi quando o sinal de alarme começou a tocar. O  tal sujeito fez meia volta junto comigo e passou a me acompanhar na volta pra casa. Percebi que algo estava errado, afinal, o cara não tinha lá jeitos de ser o protetor que iria me acompanhar para garantir minha segurança na volta pra casa.

Neste momento percebi que ele estava quase colado em mim, me virei e vi que ele me digiria a palavra.

Tirei o fone de ouvido e a brincadeira começou:

 - Tá me tirando de louco?! Cê me conhece?! - perguntou o bandido.
 - Nào te conheço não, ta me confundindo? - perguntei inocentemente, neste momento, notei a pistola que ele carregava na mão direita e pensei de pronto "Só falta, morrer numa segunda-feira de manhã, logo depois de saber que vou ser pai de novo só porque um filho da puta qualquer me confundiu com outro filho da puta qualquer... que fim hein!"

Juro que nesta fração de segundo pensei em diversas possibilidades, desde a minha morte certa com uma bala na cabeça e o que seria da minha esposa e filhos, até em reagir e utilizar os conhecimentos em Aikido para desarmar o safado e cravar uma bala na cabeça dele.

Foi quando uma calma enorme tomou conta de mim. E percebi então que o cara estava num desespero tremendo.

 - Meu, ce ta dando uma de louco? não ouviu eu te chamando não? - perguntou o nóia.
 - Não te ouvi, estava com o mp3 alto aqui, quer ouvir? - passei o fone de ouvido tocando Vida Reluz no último volume ao meliante que pegou, verificou que o som tava alto e pediu o aparelho.

- Me dá aí vai! - ele pediu e eu dei né?
- Me dá o outro! Vai logo, me dá o celular! - pediu gesticulando a arma - Cê num tem medo de tomar um tiro não?

 - Posso pelo menos tirar os chips?  - perguntei tentando argumentar...

 - Me dá a carteira vai! - pediu solicito o rapaz.

 - Posso ficar com os documentos pelo menos? - pedi já prevendo  o árduo trabalho que eu teria para tirar novamente todos os documentos que estavam na carteira, afinal, o dinheiro eu recuperava, e os cartões bloqueava rapidinho.

 - Mano! Ce tá me tirando de louco né? Porque vc pegou o celular quando viu que eu tava atrás de você?! Você ligou pro 190 né?! Vou te dar um tiro aqui mesmo!-  Bradou o nóia desesperado encostando o cano gelado da pistola negra na minha fronte esquerda. Mais uma vez pensei "reajo? - não... melhor não". A calma venceu.

 - Ta bom, ta aí, pode levar. E o celular, era minha esposa ligando, pode conferir, eu estava voltando pra casa. - Mas ví que não adiantava muito argumentar.

 - Tem mais alguma coisa ai? - Perguntou. Neste momento tive certeza absoluta que era um nóia em desespero. Afinal levou uma carteira, um celular e um mp3 vagabundos de doer e nem quis saber o que eu levava na mochila.

 - Não tem mais nada de valor - falei cutucando o bolso pra ver se meu bilhete único ainda estavalá. Estava.

 - Então vira e sai andando, não olha pra trás. - Ordena meu algoz.

Faço o que ele diz, dou alguns passos e quando me viro para olhar, ele está correndo como uma gazela louca, longe. Mais uma vez tive a certeza de que ele estava desesperado, e que o seu medo foi maior que o que eu tive.

Mas enfim, como tudo na minha vida, procuro tirar algumas lições dos fatos cotidianos.

Vamos a elas:

1 - Fé ajuda, mas não te salva. - Quando fui rendido, eu estava ouvindo música religiosa no mp3 e orando, costumo fazer isso, orar enquanto caminho sempre quando saio de casa.

2 - Manter a calma e avaliar todas as possibilidades. Frieza. Isso sim te salva e ajuda. Eu poderia ter feito mil coisas, mas não fiz, fiz o que era mais sensato na hora, deixei ele levar o que queria e achar que era o dono do mundo.

3 - Não julgue. Digo isso, porque no passado já fiz muitas coisas desesperadoras e feri muitas pessoas com estes meus atos errados. Não posso ter certeza de que o rapaz que me assaltou era um nóia buscando dinheiro para comprar mais drogas ou pagar dívidas em decorrência delas ou um cidadão na beira do abismo da sobrevivência lutando para sustentar sua casa em franco declínio.

4 - Mais uma vez, calma. Sempre. Uma coisa ficou clara todo o tempo. Eu estava calmo, ele não, ele estava desesperado. E uma pessoa desesprada é capaz de fazer qualquer merda se achar que está sendo ameaçada.

5 - Ouça sempre sua intuição. Se eu não tivesse dado atenção ao sinal de deixar o note em casa, talvez agora eu estivesse sem meu computador e maior fonte do meu sustento.

6 - Saiba perdoar e esquecer. Na hora é óbvio que vem uma raiva cega, mas não adianta ficar se lamentando. Não jogue a culpa em Deus ou qualquer outra entidade em que você acredite, afinal, percebi que estava no lugar errado e na hora errada. Poderia ter sido outra pessoa. E se essa pessoa não fosse tão calma? Poderia haver uma morte desnecessária. Enfim, a melhor coisa é tentar esquecer o fato, mesmo que ele volte uma vez ou outra durante o dia, não adianta ficar repassando toda a cena como num ensaio de teatro, tentando imaginar o que teria acontecido se você tivesse agido dessa ou daquela maneira. Já aconteceu, está no passado, cancele oque tiver que cancelar, solicite novas vias e bola pra frente. O mundo não vai parar pra te consolar porque você perdeu um monte de papel.

7 - Agradeça ao seu anjo da guarda. Percebi que ele tentou me ajudar me dando a dica do notebook, mas quanto ao resto, ele não poderia fazer coisa alguma, afinal, acho que estava em meu destino acontecer. Era inevitável.

Bom, tentei aqui, expressar de forma sincera oque se passou comigo hoje, não porque eu esteja envolvido pela espitirualidade. Afinal, poderia estar morto agora, ou num hospital ferido a bala. Só decidi relatar este fato aqui com um único fim, alertar e orientar. Se você, que leu até aqui, tirar algo de proveitoso. Então já me sinto grato.

Tenham todos uma ótima semana.

M.'.


12 comentários:

  1. Boa Marco, atitude muito sensata, manter a calma é a melhor arma nestas situações afinal. " uma palavra branda faz recuar a ira".

    ResponderExcluir
  2. Comecei a ler e já estava com raiva do assaltante, mas vc q sofreu o ato me ensinou a compaixão, q experiência horrivel, nunca passei por isso, se um dia passar espero lembrar desta postagem na hora para agir da mesma maneira.

    ResponderExcluir
  3. Quando comecei a ler me vi na situação que acontecera a pouco comigo, logo achei que havia sido diferente, imaginei quando soube, que teria sido mais um assalto qualquer, mas pelos relatos aqui contido da para fazer um curta e deixar como mensagens para vários.
    De quando fui roubado até hoje minha cabeça só pensava em matar os filhos das putas (respectiva mãe de cada um que nem deve imaginar que os mesmo estão fazendo isso. Isso é, se estiverem vivas), mas após esse relato seu, é melhor continuar vivendo a vida, pois eu tenho meios de me recuperar, agora eles...

    Parabéns pela sua capacidade de relatar um ocorrido tão em paz e firme.

    E mais uma vez parabéns parabéns para o papai

    ResponderExcluir
  4. Marcão, Que coisa veio, lembrei de uns episódios lamentáveis que passei aí também, cara, ainda bem que vc ficou tranqüilo, pelo menos não perdemos um amigo como você, meu, li como quem lê um livro de suspense haha... doido pra saber o final, que maravilha ter um bom final, vc está vivo e contando a história.
    Abração!!!!
    )(urley (arvalho

    ResponderExcluir
  5. Você fez a coisa certa. E como diria Ana Carol: "Que façam bom proveito, da grana que roubaram, porque eu trabalho e outro dinheiro eu vou ganhar"

    ResponderExcluir
  6. Da proxima vez saia armado de casa e da um sacode neste nóia; descarrega mesmo até não sobrar mais nenhuma bala...hahahahahahahahhaha...bricadeira..mais vale vc vivo..rsrs e parabéns irmão..pelo seu novo filho que esta chegando.

    Om Namah Shivaya.

    ResponderExcluir
  7. Marco,

    Isso lembrou a vez que me roubaram a moto: um rapaz magro, na nóia e quase cambaleando. Mas com uma arma prateada na cintura. Lá perto do Céu Jambeiro. Eu o Vlad na moto. A cena era tão ridícula que argumentei até o fim com o marginal que, nervoso com a demora na entrega da moto, começou a martelar com o cano do revólver o tanque da moto. Pensei nas várias maneiras de tomar o revolver dele. Mas imaginei que, se houvesse um erro - UM MINIMO ERRO - tudo podia acabar bem mal. Fez o melhor mesmo. Manter a calma, tentou salvar os documentos. O que importa é isso. Vc tá vivo, de pé e com um muleque chegando pra aumentar a família.

    Parabens man...

    ResponderExcluir
  8. ao Marco: É verdade Marco, as vezes é possível sim, com um pouco de calma e conhecimento, desarmar o assaltante, mas, como em tese ele está em desespero, qualquer movimento que saia um milímetro errado, pode por tudo a parder e levar a morte de um ou de todos os envolvidos. Não me arrependo de ter ficado imóvel, afinal, como diz o sábio: "O Guerreiro sabe recuar quando é necessário".

    Abraço.

    M.

    ResponderExcluir
  9. coragem heim eu acho que nem meu jiu-jitsu dava geito em um nóia em desespero que não tem consequencia , mas estou feliz por vc deixar seu notebook em casa

    ResponderExcluir
  10. Penso que devemos ir atrás do nóia neste fim de semana, simplesmente para ajudá-lo, abrir a mente dele e colocar, compulsoriamente, o respeito, educação, honestidade, bom senso e todas as qualidades que um trabalhador, que saí de casa às 6:00 da matina e volta às 20:00 da noite, para dar de sustento a sua família o minimo possivel e às vezes não consegue, contudo, não comete qualquer delinquência, apenas continua sua vida na esperança de melhorá-la. Um abraço, parabéns por mais um Damasceno.

    ResponderExcluir
  11. Olá Marco, que história hein...
    Foi a melhor coisa mesmo ter mantido a calma e graças a Deus e às suas orações não aconteceu nada de ruim com vc. Leio muitos dos seus textos e adoro todos.
    Meus parabéns amigo... outro neném pra iluminar ainda mais sua vida!!!
    Um grande beijo pra vc e sua esposa. Fiquem com Deus.

    ResponderExcluir

Olá, deixe aqui sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio. No final, cada palavra dita é importante e serve para aprimorar a informação fornecida pelo autor.

Obrigado.

M.