quinta-feira, 9 de junho de 2016

Da Essência do Bom Combate



O Guerreiro acordou no meio da noite, a lua brilhava forte lá fora, e sua luz iluminava tenuamente o corpo ao seu lado. Virou-se e ficou maravilhado com a suave claridade refletindo naquele corpo, o corpo de uma mulher, da sua esposa. Lembrou-se que ela, à sua maneira, também era uma Guerreira. Lutava todos os dias para manter o lar, cuidar dos seus filhos, deixar tudo pronto para que pudessem estar em paz a noite, e mesmo assim não deixava seus sonhos para trás. Tudo acontece ao seu tempo, e o tempo dela estava chegando, assim como o seu havia chegado.


Neste momento, lembrou-se das palavras de seu mestre; “A essência da vida está justamente em se viver. Preocupando-se somente com uma coisa, ‘estou sendo fiel a mim mesmo? Estou lutando o bom combate? Estou seguindo meus sonhos? Minha verdadeira vontade? Estou buscando realizar minha lenda pessoal?’ Quando vive levando em consideração a realização plena de seus sonhos, de sua verdadeira vontade, de sua lenda pessoal, você está cravando no seio da terra a marca de seu destino, e é essa a marca que fará com que seu nome seja lembrado pela eternidade.”


Neste momento, como numa tela de cinema, sua vida passou diante de seus olhos, desde os sonhos da infância, o duro início da vida adulta, a iniciação nos mistérios e na guerra, a alquimia que agora executava plenamente todos os dias, a arte, seus quadros e desenhos, magicamente executados de maneira a colocar no papel toda a semente da alma, e sentiu-se satisfeito, havia lutado o bom combate. Havia cravado sua marca.


Um forte emoção o invadiu, e lágrimas rolaram de seus olhos marejados. Afagou o rosto e os cabelos da mulher, que dormia um sono tranquilo, daqueles que dormem sabendo que estão protegidos. Disse baixinho em seu ouvido que a amava. Fechou os olhos e deixou-se levar pelo torpor do sono dos justos.


Marco Antonio Damaceno.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, deixe aqui sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio. No final, cada palavra dita é importante e serve para aprimorar a informação fornecida pelo autor.

Obrigado.

M.